PARTIDO HUMANITÁRIO NACIONAL - PHN ESTÁ LEVANTANDO UMA CAMPANHA EM BUSCA DE ASSINATURAS. SE VOCÊ FOR CONVIDADO POR ALGUÉM PARA ASSINAR, ASSINE. COM ISSO ESTARÁ DANDO APOIO AO PHN QUE JÁ EXISTE EM QUASE TODO BRASIL E EM LARANJEIRAS/SERGIPE.

03/01/2015

Cid Gomes assume Educação e espera que revisão curricular no ensino médio seja feita em 2 anos

Ministro disse que quer valorizar o professor e deve anunciar reajuste do piso de 2015 na próxima semana
BRASÍLIA— O novo ministro da Educação, Cid Gomes, disse nesta sexta-feira que espera implantar, no prazo de dois anos, a revisão do currículo de ensino médio no país. Ele enfatizou que vai propor um amplo debate sobre a proposta, que considera necessária para aumentar a escolaridade e o nível de aprendizagem dos jovens brasileiros. Cid falou sobre o tema após a solenidade de transmissão de cargo, no Ministério da Educação (MEC).
A revisão curricular deverá ocorrer simultaneamente a outro debate previsto no Plano Nacional de Educação (PNE): a definição de bases nacionais curriculares comuns no ensino fundamental e médio. Essas bases indicarão conteúdos mínimos que deverão ser aprendidos pelos alunos em todo o país.
— Esse é um processo que demandará muito diálogo, porque os sistemas no Brasil são autônomos. O estado de São Paulo pode fazer o seu currículo, o Rio de Janeiro pode fazer diferente. Cada estado tem autonomia. O que nós queremos, então, é caminhar para a unificação de um currículo básico e, no ensino médio, particularmente, abrir um processo de discussão para examinar alternativas de aprofundamento por áreas, enfim, e currículos que tenham identificação com realidades regionais.

Embora reconheça que a mudança levará tempo, Cid arriscou um prazo:
— Esse é um processo que não se fará do dia para a noite. Imagino que, começando agora, a gente possa pensar num prazo de dois anos para sua implantação.
Segundo o ministro, a revisão curricular seguirá as diretrizes do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem):
— Uma coisa é a unificação de uma base, de um currículo para o Brasil, para o ensino fundamental e o ensino médio. E outra coisa é diversificar e trazer variações no currículo específico do ensino médio, mas com tudo que há de conteúdo previamente definido. Isso facilitará, certamente, a realização do Enem.
Cid enfatizou que qualquer modificação curricular exigirá a participação direta dos estados e municípios, que são os responsáveis pela maioria das escolas e têm autonomia. No caso do ensino médio - e sempre ressalvando a necessidade de amplo debate -, ele defendeu a diversificação curricular, isto é, que os alunos possam dar mais ênfase a um grupo ou outro de disciplinas durante o curso, conforme a vocação:
— Isso não é uma coisa que eu possa dizer como será: tem que ser antecedida de um grande processo de discussão, onde educadores, professores, diretores, a universidade devem contribuir. Cada um tem opiniões e a gente deve tentar unificar essas opiniões. Eu, particularmente, penso que é importante que a gente, já no ensino médio, vá oferecendo aos estudantes a possibilidade de um aprofundamento nas áreas que eles têm mais identificação, mais vocação, mais afinidades.
O novo ministro não deu detalhes da proposta de revisão curricular. Indagado sobre diretrizes de ensino médio já aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) e sobre ações do próprio MEC que buscam estimular a diversificação curricular, ele respondeu:
— Eu vou aqui cumprir determinações da presidenta Dilma. Eu fui gestor, chefe de Executivo como prefeito e governador. Agora, aqui, eu sou um auxiliar da presidenta Dilma e devo implementar no ministério as políticas, as premissas, os compromissos que ela assumiu. Um desses compromissos é a revisão do ensino médio. Isso tem que ter uma série de deliberações.
Cid disse que pretende anunciar na semana que vem o índice de reajuste do piso salarial do magistério para 2015. A fórmula de cálculo é prevista em lei. Anualmente, o MEC divulga o percentual do aumento, que já passa a valer em janeiro.
O ministro prometeu valorizar os professores, mas sem detalhar. Disse que a remuneração é apenas um dos caminhos para isso e acenou com a possibilidade de avaliar os profissionais da educação para fins de progressão na carreira:
— Avaliação de professores como uma forma de procurar melhorar. É um debate que eu pretendo colocar (em pauta).
Indagado sobre uma declaração que gerou polêmica ao tratar da remuneração e vocação de servidores públicos, Cid afirmou:
— O que eu disse é que servidor público, quer seja ele vereador, prefeito, governador, deputado, médico, professor, tem que ter, antes de qualquer coisa, vocação para isso. Porque é uma atividade de doação. É um espaço que tem por natureza a disposição de sacrifício pessoal. E que, portanto, isso é fundamental: vocação, amor pelo que faz. Claro que tem que ter boa remuneração. Eu nunca disse que não teria. E seria um contrassenso, porque eu sou filho de pai e mãe professores. E, lá em casa, o papai garantia o básico, mas qualquer extra era a mamãe que dava. Então, até por experiência pessoal, eu sei que é importante que os professores sejam bem remunerados.
Cid afirmou que trabalhar para cumprir as metas do Plano Nacional de Educação, aprovado pelo Congresso e sancionado pela presidente Dilma Rousseff, no ano passado. O plano prevê a definição de bases nacionais curriculares no ensino fundamental e médio, a fim de garantir direitos mínimos de aprendizagem. Ou seja, conteúdos que os alunos brasileiros deveriam obrigatoriamente dominar ao concluir o ensino básico.
A solenidade foi prestigiada por ministros do novo governo e políticos cearenses. Mas o presidente nacional do PROS - o partido de Cid -, Euripedes Júnior, e outros dirigentes da sigla não compareceram.
— Estavam aí alguns deputados do PROS — disse o novo ministro. — Indicação de ministério é uma responsabilidade da presidenta Dilma. Não vou comentar.
O deputado federal Hugo Leal (PROS-RJ) estava presente e minimizou a ausência:
— Pela dimensão que a presidenta Dilma deu (à educação), não dá para ficar nessa pequenez de cargo — afirmou Leal.
O lema do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff será "Brasil, pátria educadora". Para Cid, isso aumenta a responsabilidade da pasta:
— O Brasil, nos últimos anos, conseguiu dar um salto importante na redução da miséria e na criação de um novo patamar social para milhões de brasileiros. O grande desafio agora é a educação fazer com que a gente possa melhorar os nossos indicadores sociais. E esse realmente é o único caminho.


Por Demétrio Weber

Nenhum comentário:

Postar um comentário