NO DIA 30 DE SETEMBRO ACONTECERÁ UMA FESTA EM HOMENAGEM A TODOS OS PASTORES DE LARANJEIRAS. PARTICIPE!!!

05/05/2012

Uma educadora de luta: Profª Zizinha Guimarães


Zizinha Guimarães, como assim era conhecida, tinha como origem o nome de Eufrozina Amélia Guimarães, que era filha de Manoel Ferreira de Oliveira e Amélia da Silva Guimarães. Por falta de maiores detalhes data-se ao seu nascimento aos 26 de dezembro do ano de 1872, nascida em Laranjeiras, Estado de Sergipe, onde fizera seus estudos e freqüentou também o Colégio Inglês sob a direção de Miss Ana Carol, de quem ela fala tecendo maiores elogios.
Filha de uma família muito pobre, Zizinha Guimarães foi nomeada professora pública estadual de um Decreto tornado público em agosto de 1896 para a cadeira de Bairro Victória, atual Rua Jackson de Figueiredo em Laranjeiras, e que, posteriormente considerada “Cadeira de Cidade”, pela Lei nº 248 de 12 de novembro de 1897, transformando-se em “Cadeira de Ensino Misto”, por Decreto sob nº 255 de 18 de janeiro de 1898, sediada na “Rua da Cacimba”, onde hoje é a Rua Engenheiro Xavante.
Apesar de jovem, Zizinha Guimarães desempenhou sua função com muita competência até 1902, quando assim fora demitida pelo seu Genitor por questões pessoais e políticas.
No segundo semestre de 1904, reaparece Zizinha Guimarães enfrentando situações de acusações e funda aí a Escola Laranjeirense aos 04 de julho do mesmo ano.
Valendo-se do seu silencio a que se impôs, por verdadeira e consagradora vitória transformando-se assim em educadora ciente e consciente, por preceptora de três gerações seguidas. A sua personalidade, respeitada, era acumuladas de várias encômias, principalmente por parte dos Mestres eméritos do Magistério Sergipano como os educadores e professores José de Alencar Cardoso (prof. Zezinho), Clodomir Silva e Artur Fortes. Abertos, de por em par, as comportas do nosso afeto, buscam no turbilhão incessante da nossa memória, passagens ciclópicas dessa mulher predestinada que, vivendo intensamente, deu tudo de si pelo magistério que tanto lutou e o fez respeitado.
Há ainda, recordações de canções escolares que ao som de um piano afiado cantavam nas festas cívicas e nas salas de aulas. Quando por ocasião do estadista em pensamentos, ouviam a voz da consagrada cantora dar novos acordes ao Hino Nacional e não furtaram em proclamar, alto e bom som, que Zizinha Guimarães, quebrando éticas ou tábuas, ensinava cantar o mais belo Hino do Mundo, quase que em forma declamatória, tanto quanto se esmerou aquele artista do rádio e televisão.
Dia 1º de dezembro de 1964, às 18 horas, se afinava a Mestre querida, deixando após si um vácuo enorme e ainda não preenchido.
Seu sepultamento verificou-se na ensolarada manhã de 2 de dezembro, acompanhado o seu féretro por uma enorme multidão, executando a Filarmônica Sagrado Coração de Jesus, pela primeira vez em Laranjeiras, músicos de percussão em tão pungente cortejo.
O seu ataúde fora carregado por suas afilhadas em todo percurso, descendo ao túmulo pelas mãos dos seus ex-alunos, todos doutores, como do seu desejo e último pedido. Assim foi cumprido religiosamente

Trabalho de Carlos Alberto – Quando aluno do 1º ano da Escola Estadual Profª Zizinha Guimarães em 1999.
Esta hitória pode ser copiada e melhorada para apresentação de trabalhos escolares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário