PARTIDO HUMANITÁRIO NACIONAL - PHN ESTÁ LEVANTANDO UMA CAMPANHA EM BUSCA DE ASSINATURAS. SE VOCÊ FOR CONVIDADO POR ALGUÉM PARA ASSINAR, ASSINE. COM ISSO ESTARÁ DANDO APOIO AO PHN QUE JÁ EXISTE EM QUASE TODO BRASIL E EM LARANJEIRAS/SERGIPE.

08/09/2014

Revista Época faz reportagem especial sobre “o poder do voto evangélico”

A crescente presença dos evangélicos no cenário político brasileiro tem pautado várias discussões nas campanhas eleitorais desse ano. O tema foi assunto de uma reportagem especial publicada pela edição dessa semana da Revista Época, que comparou a presença das questões morais e de cunho religioso nas campanhas dos candidatos dessa eleição com o que ocorre nos Estados Unidos.
Um dos temas centrais da matéria foi o suposto recuo de Marina Silva em seu programa de governo em assuntos como casamento gay. O texto afirma que a candidata do PSB voltou atrás em suas afirmações sobre o tema após pressão feita pelo pastor Silas Malafaia.
- Um dia depois de lançar seu programa de governo, a candidata Marina Silva (PSB), hoje favorita a conquistar o Palácio do Planalto, depois de pressionada nas redes sociais pelo pastor Silas Malafaia, um dos líderes da Assembleia de Deus, voltou atrás numa série de compromissos – afirma a matéria.
O “recuo” de Marina Silva, segundo destaca a reportagem, gerou aplausos por parte de líderes evangélicos. Malafaia elogiou a atitude da candidata afirmando que “ela teve coerência”, e o pastor e deputado Marco Feliciano disse que “no momento em que Marina teve de se decidir de fato, ela se colocou como uma cristã de verdade”.

- O recuo de Marina choca os marineiros “sonháticos”, mas, de um ponto de vista estritamente eleitoral, faz sentido. Embora conserve o título de país com o maior número de católicos do mundo, o Brasil avança com rapidez para se tornar uma nação mais evangélica. Em dez anos, os evangélicos passaram de 15,4% da população para 22,2%, um total de 42,3 milhões. Com 22% do eleitorado, somam hoje quase 27 milhões de votos – destaca a matéria.
Segundo destaca a revista, apesar de nunca ter feito parte da bancada evangélica e de sempre ter defendido valores laicos, ela tem apoio da maioria dos evangélicos, com intenção de voto de 43% desse eleitorado, contra 32% de Dilma Rousseff.
- De forma geral, os candidatos evangélicos se opõem (com diferentes nuances de tolerância) ao casamento gay, a mudanças na lei da interrupção da gravidez e à liberação das drogas. A pesquisa do Ibope mostrou que a maior parte dos brasileiros, independentemente de religião, pensa como os evangélicos: 79% são contra o aborto; 79%, contra a liberação da maconha; e 53%, contra o casamento gay – ressalta a revista.
Tentando responder sobre a real existência de um “poder do eleitorado evangélico”, a revista Época destaca a criação de um “Comitê Evangélico” na aliança partidária que apoia a eleição da presidente Dilma. A missão do comitê é montar uma agenda de encontros da Presidente com os principais pastores e líderes evangélicos do País até o dia das eleições.
- A questão que se busca responder é: existe de fato um poder do eleitorado evangélico através de seu voto que seja fator decisivo nas eleições de candidatos estaduais, federais e também em âmbito nacional? Alguns pesquisadores acreditam na existência deste chamado ‘voto evangélico’, outros, se recusam a afirmar com veemência. Verdade ou não, algo é fato: tal pensamento tem ganhado força e alcance na sociedade resultando na formação de um senso comum baseado nesta premissa. Isto tem impulsionado os candidatos, a cada eleição, a concentrarem atenção específica a esta parcela do eleitorado brasileiro – destaca o texto.
Foi destacado também, como fator que corrobora para o suposto poder do voto evangélico, a influência que as lideranças religiosas têm em boa parte da população brasileira, e como essa influência se mostra especialmente forte entre os evangélicos.
- Os evangélicos, no decorrer das últimas legislaturas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal e em outros órgãos, demonstraram grande adaptabilidade e influência para com os seus eleitores, em especial os fiéis das denominações religiosas das quais estes políticos fazem parte – destaca

Gospel mais

Nenhum comentário:

Postar um comentário