PARTIDO HUMANITÁRIO NACIONAL - PHN ESTÁ LEVANTANDO UMA CAMPANHA EM BUSCA DE ASSINATURAS. SE VOCÊ FOR CONVIDADO POR ALGUÉM PARA ASSINAR, ASSINE. COM ISSO ESTARÁ DANDO APOIO AO PHN QUE JÁ EXISTE EM QUASE TODO BRASIL E EM LARANJEIRAS/SERGIPE.

18/09/2014

Pesquisa Ibope aponta candidatos à reeleição da bancada evangélica entre os cinco mais bem colocados

Uma pesquisa do Ibope mostrou que a candidatura de figuras da bancada evangélica à reeleição vem sendo bem aceita por parte da sociedade. Em São Paulo e Rio de Janeiro, líderes evangélicos despontam entre os mais mencionados pelos eleitores sobre a intenção de voto para deputado federal.
O pastor Marco Feliciano (PSC) está entre os cinco primeiros candidatos a deputado mais mencionados pelos entrevistados. Em 2010, o líder da Assembleia de Deus Catedral do Avivamento obteve pouco mais de 212 mil votos e ficou em 12º lugar entre os mais votados.
“Feliciano, 12º mais votado há quatro anos, foi alçado ao top 5 após ficar famoso por declarações de tom homofóbico”, escreveu o jornalista Bernardo Mello Franco, na coluna Painel do jornal Folha de S. Paulo.

À frente de Feliciano aparecem apenas Tiririca (PR) – eleito em 2010 com o recorde de 1,3 milhão de votos -; Celso Russomano (PRB); Paulo Maluf (PP) e Baleia Rossi (PMDB). “Maluf e Russomanno são velhos conhecidos do eleitor. Baleia Rossi é filho de Wagner Rossi, o ex-ministro da Agricultura ‘faxinado’ no início do governo Dilma sob suspeita de irregularidades”, relembrou o jornalista.
Já no Rio de Janeiro, a filha do candidato a governador Anthony Garotinho (PR), Clarissa Garotinho é a primeira colocada nas intenções de voto dos eleitores para o cargo de deputado federal.
O parlamentar evangélico Eduardo Cunha, líder da bancada do PMDB na Câmara dos Deputados, aparece em terceiro lugar nas pesquisas, atrás do católico Jair Bolsonaro (PP), que é conhecido por declarações polêmicas contra a homossexualidade e os ativistas gays.
Bolsonaro se popularizou entre o eleitorado evangélico quando manifestou apoio a Marco Feliciano durante a crise política na Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) provocada por protestos dos ativistas gays, que pediam a saída do pastor da presidência da pasta.

Gospel mais

Nenhum comentário:

Postar um comentário